Intercâmbio Brasil, França e Caribe propõe mostra coletiva protagonizada por fotógrafos da Amazônia na COP-30

  • 03/04/2024
‘A Amazônia produz arte contemporânea e tem autonomia intelectual’, diz Karina Jucá, idealizadora da exposição 'Belém, Paris n’America: Amazônia desconhecida'. Projeto irá ocupar diversos pontos de Belém durante a COP-30, além de circular por São Paulo, Paris e Martinica. A arte contemporânea da Amazônia é o fio condutor do projeto que aproxima laços entre Brasil, França e Caribe na COP-30. O projeto "Belém, Paris n’America: Amazônia desconhecida", que culmina em uma exposição coletiva de fotógrafos do Pará, reunindo obras de artistas como Luiz Braga, Elza Lima e Paula Sampaio, irá ocupar diversos pontos da capital paraense em 2025, durante o maior evento global de debate sobre questões climáticas. Em parceria com curadores e museógrafos de Belém, São Paulo e da França, o projeto, vai percorrer o sudeste do Brasil, Paris e Caribe. “A ideia é transgredir a narrativa, mostrar que aqui na Amazônia produzimos arte contemporânea e temos autonomia cultural e intelectual”, diz Karina Jucá, produtora cultural paraense sediada na Europa, à frente da produtora Rouge Brésil, que atua nas relações culturais e entre o Brasil e a França. O projeto prevê a realização de oficinas e masterclass com curadores que integram a iniciativa: Paulo Miyada, curador-chefe do Instituto Tomie Ohtake (SP), curador adjunto do Centre Pompidou, em Paris, uma das mais renomadas instituições de arte da Europa; o museógrafo francês Adrien Gardère, uma das estrelas da museografia internacional. Atuou no Museu do Louvre e atuou na restauração do Museu de Cluny, da Idade Média na França. Também estão no time de curadores e museógrafos os paraenses Victor Blanco, arquiteto e pesquisador; e Edne Maués, professor, historiador e curador de artes, integrante do Museu do Marajó, o único museu caboclo do mundo, referência cultural e científica sobre o arquipélago, com cultura milenar e ocupado por uma das civilizações originárias mais antigas da América Latina. Em parceria com a Fundação Cultural do Pará, a exposição vai ocupar a Estação das Docas, o Mangal das Garças e o Parque do Utinga, por onde circulam mais de 50 mil pessoas por dia. "O 'Belém Paris n’America' é uma exposição de fotógrafos de Belém, que é a principal capital da Amazônia, na minha opinião, é a mais relevante do ponto de vista da produção cultural e intelectual. E o projeto vai desenvolver eventos paralelos. Esse tema é um gancho para falar da arte contemporânea, do que está sendo produzido aqui. Para falar da Belle Époque sob a perspectiva dos amazônidas, e colocar essas obras para circular no mercado internacional", explica Jucá. Além de nomes já consagrados da fotografia da Amazônia, o projeto também abrirá edital para novos artistas, a fim de democratizar a seleção e ampliar a diversidade de estéticas propostas na mostra coletiva. “A cena de fotógrafos contemporâneos é muito consistente, com nomes relevantes e de muito potencial no mercado de arte internacional. Cada um dos fotógrafos que faz parte da coletiva tem uma linguagem, e vamos colocá-los em diálogo, mostrando essa diversidade criativa. O projeto procura fazer uma provocação decolonial, mas não no sentido militante tolo, mas que vá na profundeza. Na verdade, o projeto é uma espécie de transgressão. Então, quando você une Belém, Paris e América, todos esses elementos conversam e têm que conversar”, diz Jucá. França tropical Na atual etapa do projeto, ele se desdobra ao estabelecer ponte com a América Central, destacando a estreita relação entre Pará e Caribe. Espécie de “França tropical”, a Martinica é uma região ultramarina francesa, e tem em sua cultura uma mistura distinta de influências da Europa e das Índias Ocidentais. O laço histórico com a Amazônia é explicitado, sobretudo, na identidade cultural. A “surf music” amazônica, com sua guitarrada e o suingue da lambada, reflete muito a influência da sonoridade caribenha aqui no Norte do Brasil. Além disso, o Pará é o principal parceiro econômico da Martinica dentre os estados brasileiros: em 2022, o Brasil exportou US$ 11,2 milhões de dólares para a ilha caribenha e os produtos paraenses representaram 33% dessas exportações. Neste contexto, o “Belém Paris n’America” se consolida como primeiro grande projeto cultural desenvolvido pelo Pará em parceria com o governo da Martinica. Um marco diplomático importante para a relação entre Brasil e Caribe. “O ‘Paris n’América’ surge como vitrine desse acordo de cooperação, que já está sendo costurado junto ao governo do Pará. A expectativa é de que o projeto seja adotado pelo governo e integre oficialmente a programação da COP 30”, diz Jean-Michel Stephan Salmon, membro da equipe diplomática do presidente da Martinica, Serge Letchimy. Jean-Michel também é sócio de Karina Jucá na Associação Embaixadinha, voltada à realização de projetos culturais de intercâmbio BR/FR/Caribe. O projeto conta com a produção executiva de Narjara Oliveira e Reator Cltural. "Nosso propósito é ser uma agência de intercâmbio cultural entre a França e o Brasil. Mas especialmente, destacando a Amazônia, que é de onde eu venho e que é a menos contemplada do ponto de vista da produção contemporânea. E, também por um viés político, quero dar destaque para essa região tão ameaçada e cobiçada", destaca Karina.

FONTE: https://g1.globo.com/pa/para/noticia/2024/04/03/intercambio-brasil-franca-e-caribe-propoe-mostra-coletiva-protagonizada-por-fotografos-da-amazonia-na-cop-30.ghtml


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Top 10

top1
1. Pega o Guanabara

Alanzim Coreano

top2
2. VOLTA PRO TEU VAQUEIRO

Dj Ivis

top3
3. a maior saudade

chicão dos teclados

top4
4. Dedicado pra esquecer

Ícaro e Gilmar

top5
5. Melhor eu ir/Ligando os Fatos/Sonho de Amor/Deixa eu te querer

Churrasquinho do Menos é Mais

top6
6. Seu Amor é Meu

Forró Top 10

top7
7. Ih F*deu

Manu Bahtidão

top8
8. Sapatinho Do Bebê

MANU BAHTIDÃO

top9
9. Receita de amar / Dona do meu destino

Gutto Soares

top10
10. DONA DE MIM

ANA CASTELA


Anunciantes